De perto

Posted: 18/07/2012 in A vespa poética

Aqui estou eu

Domando um comboio de corações ansiosos

Todos meus

Já sem vértebras, sem verbos

Eles ocupam todos os vazios, tudo

Cheios de tensão, inocentes

Milhões de batidas por minuto

Riem e se deleitam

Com minhas dores inventadas

No rastro deles, a liberdade

Se aprendo rápido

Dou o que eles pedem

Sem culpa e sem medo

Como na cúpula branca da Lua

E no vazio súbito de meus pensamentos

Eles escapam e se põem a voar

Mas não para sempre ao que parece

Voltam pelo mesmo caminho

Moram dentro de mim

Anúncios
Comentários
  1. Tânia Consuelo diz:

    Bonito!

  2. De perto, no peito, o coração. Gostei, Joice. Sempre delicada na escrita.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s